Presos fabricam máscaras de proteção
A iniciativa, da Comarca de Rio Pomba, ainda está em fase piloto.
Vêm das mãos alguns cuidados para a prevenção ao coronavírus. Muitos diriam que eles se resumem em lavar as mãos e passar álcool gel.

Editado/publicado em 26/03/20


Presos em Rio Pomba confeccionam máscaras faciais - Imagem Divulgação

Mas há uma outra iniciativa que está sendo desenvolvida pelas mãos de pessoas que, inclusive, já estão em confinamento há muito tempo — há mais tempo que o próprio surgimento da doença. Trata-se da confecção de máscaras faciais pelos presos de Rio Pomba.

O projeto ainda está em fase piloto. Os presos estão criando um modelo, e a ideia é que a população carcerária, os agentes penitenciários e talvez até a população local possam ter um pouco mais de proteção, já que o item está em falta na cidade.

E essa ideia, assim como a produção da máscara, veio em conjunto. Primeiro, da juíza da Vara Única da comarca, Luciana de Oliveira Torres, e do diretor do presídio local, Pablo Carangola Garcia. E na sequência, de ações de solidariedade e conhecimento.

"É um serviço útil, e não estamos restringindo direitos: os presos do regime semiaberto podem continuar trabalhando. A verba para a compra do material veio das penas pecuniárias destinadas ao presídio", conta a juíza.

O diretor do presídio disse que, por enquanto, a máscara confeccionada pelos presos é um paliativo que pode se tornar uma solução.

"Ainda estamos aperfeiçoando o modelo e buscando mais conhecimentos. Nesse momento estamos trabalhando na forma. Estamos buscando informações e parceria para ver a questão da esterilização das máscaras. Não temos certeza da eficácia plena da usabilidade e aplicabilidade, mas a proteção, mesmo que não seja 100%, é melhor que nada", afirmou Pablo Garcia.

E pensando na coletividade defendeu: "Dessa forma, diminuímos a possibilidade de os agentes penitenciários eventualmente contaminarem os presos, e também é uma forma de se protegerem". A juíza complementou: "Os presos já estão confinados, em isolamento. O risco maior é de os agentes transmitirem o vírus. A questão é proteger a todos".

A solidariedade veio do dono de uma confecção na cidade. Com o negócio parado, sensibilizou-se com a causa e emprestou uma de suas máquinas. Então foi preciso o conhecimento em costura naquele modelo específico de máquina para o início da confecção.

E o conhecimento veio de um preso, que trabalhava com a mãe e usava exatamente a mesma máquina. "Ele precisou de um tempo para se adaptar novamente e poder ensinar aos outros", disse o diretor.

A juíza e o diretor estão abertos a orientações dos profissionais de saúde para melhor desenvolverem o projeto. O diretor acredita que, caso seja necessário esterilizar as peças em autoclave, ele poderá conseguir apoio de uma unidade de saúde local. E finalizou: "Acredito que possamos avançar".

Com informações da Ascom TJMG


Copyright © 2018 - Bicas News by Navearte - CNPJ: 23.987.662/0001-00 - Praça Rui Barbosa, 33 - Centro - Bicas - MG - CEP: 36600-000 - TEL: (32)3271-2244 - WhatsApp: (32) 98862-2244 - MÍDIA LIVRE - JORNALISMO INDEPENDENTE