Roupas padronizadas para escravizados marcaram início da indústria de vestuário no Brasil
Pesquisa da USP abordou o desenvolvimento da indústria têxtil no Brasil desde o século 19 até os anos 1960, quando a produção chegou à classe média.

Editado/publicado em 21/01/20


Padrões similares em roupas de pessoas escravizadas no século 19, mostrados no livro Escravos brasileiros do século XIX na fotografia de Christiano Jr., organizado por Paulo Cesar Azevedo e Maurício Lissovsky – Foto: Reprodução

Uma pesquisa da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP construiu, de forma inédita, um recorte da história da moda no Brasil desde o século 19, com a produção em série de roupas para pessoas escravizadas, até o início dos anos 1960, quando a indústria têxtil nacional já apresentava traços semelhantes aos dos grandes centros do Ocidente.

A tese de doutorado, defendida pelo jornalista Luís André do Prado em 2019, aborda um período em que o assunto é pouco estudado pela academia, não apenas no Brasil como por instituições estrangeiras:

Prado pesquisou dados estatísticos e análises econômicas realizados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), livros, jornais, teses, dissertações, entrevistas, além de pesquisas físicas em acervos pessoais e institucionais de associações e editoras especializadas em moda. “Meu objetivo inicial era focar a década de 1960, mas a carência de dados sobre os primórdios da indústria do vestuário no Brasil me fez voltar no tempo mais do que planejara. Fui parar no início do século 19.”

O pesquisador explica que a criação de moldes de roupas por escala de tamanhos permitiu a produção em escala industrial desde a virada do século 18 para o 19, em países como Inglaterra, França e Estados Unidos, e, na primeira metade do século 19, no Brasil. “Posteriormente, a introdução das máquinas de costura, de corte de tecidos e de fabricação de malhas, entre meados e fins do século 19, contribuiu enormemente para acelerar o crescimento da fabricação de roupas prontas.”

Início da padronização

Na segunda metade do século 19, o Brasil experimentou a industrialização da produção de roupas de trabalho para os negros escravizados como um primeiro nicho de produção em série.

Nas décadas seguintes, desenvolveram-se manufaturas de roupas íntimas, uniformes escolares e de vestuário masculino, que seguia os padrões ocidentais do terno. “Estas peças se prestaram melhor à produção seriada justamente por serem mais padronizadas, sem forte influência das alternâncias da moda”, explica Prado.

Roupas femininas, por seguirem as modas sazonais, passaram a ser padronizadas em uma escala ascendente a partir da década de 1930. As confecções brasileiras copiavam e adaptavam os padrões da moda internacional, principalmente os centrados em Paris.

Somente em 1960 o Censo Industrial mostrou pela primeira vez a produção de roupas femininas com uma porcentagem maior que a masculina: 26,8% contra 23,4%.

Produção para a classe média


Um dos capítulos da pesquisa analisou a multinacional francesa Cia. Industrial Rhodiaseta, durante os anos 1960, em um suposto lançamento internacional da moda brasileira. Foram realizados, durante sete anos, campanhas promocionais, eventos e divulgações, em uma extensa lista de países, de peças de alta moda e de produção em série feitas no Brasil.

Prado explica que o esforço “não passou de uma estratégia publicitária para vender à classe média brasileira a ideia de que as confecções e os criadores do Brasil também poderiam ter valor simbólico. Uma estratégia paradoxal pela qual procurou-se simular um reconhecimento, no exterior, da moda feita no Brasil”.

A ideia era valorizar a produção em massa que seria vendida à classe média no Brasil. “Evidencia-se, por esses eventos, a mentalidade ‘colonizada’ do brasileiro médio, mas que reproduzia um comportamento naturalizado pelas elites nacionais”, analisa.

A produção de alta moda neste período, como Dener Pamplona de Abreu ou Clodovil Hernandes, vivenciou trajetórias curtas, pois a moda de indústria seriada passou a lançar as tendências adotadas pelos brasileiros.

Prado explica que o interesse pelo assunto vem crescendo no Brasil e que o trabalho abre uma vertente de pesquisa no campo de História Econômica e na área de vestuário e moda. “São assuntos que apaixonam mesmo o público não acadêmico. Já em 2010, ocupamos o primeiro posto entre os países que mais oferecem graduação de nível superior em moda.”

Fonte: Jornal da USP - Paulo Andrade/Assessoria de Comunicação da FFLCH


Copyright © 2018 - Bicas News by Navearte - CNPJ: 23.987.662/0001-00 - Praça Rui Barbosa, 33 - Centro - Bicas - MG - CEP: 36600-000 - TEL: (32)3271-2244 - WhatsApp: (32) 98862-2244 - MÍDIA LIVRE - JORNALISMO INDEPENDENTE