HOMEM, O MAIOR DOS PRODÍGIOS ?

Editado e Publicado em 28-07-18
por Antônio Russi


Autor: Antônio Russi

“Há no mundo numerosos prodígios, mas nenhum mais prodigioso que o próprio homem” – leio que a frase foi atribuída a Sófocles, teatrólogo grego, século sexto antes de Cristo. Mas será verdadeiramente de Sófocles a frase? Importa pouco tenha sido do velho teatrólogo a reflexão, e pode ser até que não seja. O que realmente se deve considerar é que a frase está aí e a História no-la grafou com todas as letras para lida e examinada.

Agora ponha-se a frio exame a reflexão em si mesma : por que não concordar seja o homem, de fato, o maior dos prodígios? Certamente, não é só porque tem uma cabeça que pensa, dois olhos que vêem, duas orelhas que escutam, um nariz que fareja, uma boca que come, duas mãos que tateiam e duas pernas que andam. O animal, menos a cabeça que pensa, possui tudo isso, e, de certo modo, leva-lhe vantagem em alguns outros pontos.

Não sei se Sófocles, ao definir o homem como o maior dos prodígios, o considerou sob duas faces, - a sua condição visível, a de carne, ossos e vísceras, e a de invisibilidade, despojado dessas aparências, ou seja, o homem neste mundo e o mesmo homem no outro. Não que sejam diferentes em si mesmos; a diferença está na nova posição em que ele se coloca depois do descenso físico. Ao formular a definição teria Sófocles considerado isso? Não sei, e provavelmente o senhor também não saberia.

Se Sófocles considerou o homem sob esses dois aspetos, hosanas lhe sejam, antecipando de muito uma certeza de que hoje muitos ainda duvidam.

Os prodígios do homem não visível aos olhos carnais são muito mais ricos e muito mais de se admirarem. Digo isto porque parte da humanidade só acredita no que vê e o que vê padece de deficiências naturais que a condição física lhe faculta.

Mais prodigioso ainda é o que ele vê no plano astral, para onde será guindado logo após a morte, ou, pelo menos, depois de algum tempo de readaptação no novo estado. E digo mais : o que ele poderá fazer de prodígio nesse plano. Mantenhamos no chão os pés, cabeça sã, e parlamentemos, olhos nos olhos. Atenho-me tão só à ciência, ao que já foi averiguado e comprovado. Já não está desmistificada a matéria? Depõe a física quântica que em toda parte a matéria se dissolvenum misto de elétrons, prótons, nêutrons e no que mais de partículas vier a descobrir-se.

Diante dessa certeza por que não acreditar num mundo não físico? O conglomerado – átomo, molécula, cristal, célula, planta, animal, homem, consciência, raça, humanidade, planeta, sistema solar, sistemas estelares, sistemas de universo, num formidável desfilar de formas cada vez m ais perfeitas, ainda inconcebíveis pelo homem.

Agora, voltemos ao tema que deu começo a este trabalho: Sófocles talvez aludisse ao homem-homem, considerando-se a época em que viveu, E isto é para desprezar-se? Se ele vivesse em nosso tempo e dispusesse dos conhecimentos que a época atual lhe proporciona, então, meu caro leitor, o mundo teria sido enriquecido com um verdadeiro tratado de sabedoria e criatividade.

Agora mesmo me ocorreu que a frase é mesmo de Sófocles.Sócrates não teve o seu “Daimon”? Por que o não teria Sófocles o seu também ? Ambos assistidos, ambos inspirados e intuídos por Superiores deuses do Olimpo.

Antônio Russi (Professor e Escritor) - Lavras - Mg - julho/2018.


Copyright © - Bicas News by Navearte - Praça Rui Barbosa, 33 - Centro - Bicas - MG - CEP: 36600-000 - TEL: (32)3271-2244 - WhatsApp: (32) 98862-2244