Recuo da taxa de desocupação é maior
entre trabalhadores com ensino fundamental e médio, jovens e mulheres

Lançada nesta terça-feira, 03, a seção de Mercado de Trabalho da Carta de Conjuntura do Ipea aponta que os maiores aumentos salariais
foram recebidos pelos homens, trabalhadores com ensino médio incompleto, e moradores das regiões Norte e Nordeste.

Editado/publicado em 03/04/18

Apesar do aumento registrado no início do ano, devido à sazonalidade do período, a taxa de desocupação vem caindo em termos interanuais de forma consistente no Brasil e esse recuo atinge todos os segmentos da população, sendo mais intenso nos grupos de trabalhadores com ensino fundamental e médio, com idade entre 18 e 24 anos e do sexo feminino. Entre os trabalhadores com ensino médio incompleto, por exemplo, a taxa de desocupação caiu de 24,2% para 20,4% entre o último e o primeiro trimestres de 2017. Na mesma base de comparação, o desemprego entre os jovens de 18 a 24 anos recuou de 28,8% para 25,3%. No caso das mulheres, a desocupação passou de 15,8% para 13,2%.

Em termos regionais, observa-se a queda da taxa de desocupação nas regiões Norte e Nordeste. Em que pese o melhor desempenho da taxa de desemprego no Espírito Santo e em Minas Gerais, os dados da região Sudeste foram influenciados negativamente pelo comportamento da desocupação no Rio de Janeiro. Além do Rio, Amapá, Goiás e Distrito Federal apresentaram aumento do desemprego no último trimestre de 2017. Em relação aos rendimentos, os microdados mostram que, na comparação interanual, no quarto trimestre de 2017, os maiores aumentos salariais foram auferidos pelos homens (2,6%), pelos trabalhadores com ensino médio incompleto (5,0%) e pelos moradores das regiões Norte (5,4%) e Nordeste (4,3%).

É o que mostra a seção Mercado de Trabalho da Carta de Conjuntura do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), lançada nesta terça-feira, 03. Com base nos microdados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua, do IBGE, o estudo analisa de forma detalhada o mercado de trabalho brasileiro. Embora ainda esteja em situação bem menos favorável em relação ao período pré-crise, os dados mostram maior dinamismo do mercado. “A alta da taxa de desocupação nos trimestres móveis encerrados em janeiro e fevereiro é decorrente da sazonalidade característica do início do ano. Na comparação com 2017, os dados mais recentes mostram uma recuperação do mercado de trabalho, conjugando expansão de ocupação e de rendimentos”, explica Maria Andréia Lameiras, pesquisadora do Ipea e uma das autoras do estudo.

Os efeitos do aumento da ocupação sobre a redução da taxa de desemprego, entretanto, têm sido atenuados pela forte expansão da força de trabalho. Os dados da PNADC revelam que vem crescendo o número de trabalhadores marginalmente ligados à população economicamente ativa (PEA) – os quais constituem uma parcela da população que está na inatividade, mas deseja voltar ao mercado. Além de exercer pressão sobre a PEA, pois esse grupo de indivíduos tende a se incorporar à força de trabalho à medida que as condições do mercado vão melhorando, essa mudança vem gerando aumento do desalento no mercado.

Carlos Henrique L. Corseuil, pesquisador do Ipea e um dos autores do estudo, explica, no entanto, que o aumento do desalento nos últimos meses é decorrente de uma mudança de composição da população em idade ativa. “Parte dos indivíduos que antes estavam na inatividade e não tinham nenhuma intenção de trabalhar se incorporou ao grupo de pessoas que trabalhariam se conseguissem uma ocupação”. Ou seja, essa transição em direção ao desalento não sinaliza uma piora nas condições do mercado de trabalho, apenas indica uma mudança de comportamento por parte da população.

Confira a íntegra do estudo - Arquivo em PDF.

Fonte: Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada


Copyright © 2016 - Bicas News by Navearte - Praça Rui Barbosa, 33 - Centro - Bicas - MG - CEP: 36600-000 - TEL: (32)3271-2244 - WhatsApp: (32) 98862-2244

Copyright © - Bicas News by Navearte