Bicas - MG -

NOVEMBRO AZUL 2020

Editado/publicado em 01/11/20



Ações on-line vão chamar a atenção dos homens para a saúde, já que 50 mil brasileiros deixaram de receber o diagnóstico de câncer na pandemia

Neste ano em que os olhares estão voltados para a pandemia pelo novo coronavírus, muitas doenças continuam existindo e afetando a vida de milhares de brasileiros, entre elas o câncer de próstata. Segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca), somente para 2020 são esperados 65.840 novos casos, porém podem não ser diagnosticados a tempo por conta do isolamento social. No Brasil houve uma queda de 70% das cirurgias oncológicas e uma queda de 50% a 90% das biópsias enviadas para análise, estimando-se que entre 50 mil a 90 mil brasileiros deixaram de receber diagnóstico de câncer nesse período*.

Em relação à próstata, dados do laboratório Mont’Serrat (RS) mostram uma queda de 38% nos pedidos de PSA no período de março a junho de 2020 comparados a março a junho de 2019. Outro grande laboratório de alcance nacional apresentou queda de 18% no mesmo período de comparação.

Pensando nessa realidade que envolve a importância da obtenção do diagnóstico precoce e da continuidade do tratamento, mesmo em tempos pandêmicos, a Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) realiza no mês de novembro mais uma edição do Novembro Azul, que visa conscientizar os homens sobre a sua saúde.

De acordo com o presidente da SBU, Prof. Antonio Carlos Lima Pompeo, é muito importante que os homens tenham acesso à informação se são do grupo de risco, quando devem procurar o médico e quais problemas podem acometê-los por meio de campanhas educativas como o Novembro Azul. “A SBU realiza ações de esclarecimento da população sobre o câncer de próstata desde 2004 em novembro, pois dia 17 de novembro é o Dia Mundial de Combate ao Câncer de Próstata”, diz.

Dentro desta perspectiva de diálogo com a sociedade, foi programada uma série de ações on-line e presenciais de esclarecimento do público. Acontecerão lives nas redes sociais do Portal da Urologia (@portaldaurologia), contando com a participação de especialistas e convidados. Serão produzidos programas semanais de podcasts para a Rádio SBU abordando o tema. As redes sociais, assim como o Portal da Urologia (www.portaldaurologia.org.br), também terão conteúdos voltados ao público, com objetivo de explicar, desmistificar e trazer informações de qualidade sobre o câncer de próstata.

Monumentos, órgãos públicos e privados espalhados pelo Brasil serão iluminados de azul, como o Palácio do Planalto (DF), o Bondinho do Pão de Açúcar (RJ), o Palácio da Guanabara (RJ), o elevador Lacerda (BA) e Farol da Barra (BA).

No Bondinho Pão de Açúcar, um dos ícones da Cidade Maravilhosa, a iluminação será em toda a área do parque, como forma de lembrar o período de conscientização e prevenção ao câncer de próstata. As luzes refletirão a cor da campanha diariamente, das 17h30 às 00h, durante todo o mês de novembro.

O Metro de São Paulo também estará com uma exposição de cartazes lembrando da importância do homem cuidar da sua saúde.

O secretário-geral da instituição, Dr. Alfredo Canalini, ressalta que a campanha tem aspectos positivos que vão além do alerta para a necessidade do diagnóstico precoce do câncer de próstata. “É um processo que lentamente vêm mudando o comportamento do homem em relação aos cuidados com a saúde masculina como um todo. Desde 2008, através da publicação do Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem, o governo federal reconhece a necessidade de investir no atendimento dos homens, que têm expectativa de vida inferior aos das mulheres que, desde há muito tempo, têm o hábito de rotineiramente fazerem exames preventivos”, apontou.

Câncer e outras doenças da próstata

Do tamanho de uma castanha e localizada abaixo da bexiga, a principal função da próstata é produzir uma secreção fluida para nutrição e transporte dos espermatozoides. Ao longo da vida a glândula pode desenvolver três doenças: a prostatite (inflamação), a hiperplasia prostática benigna – HPB (crescimento benigno) – e o câncer.

A prostatite chega a atingir cerca de 30% dos homens. Pode causar ardor ou queimação ou um desconforto durante o orgasmo, esperma de cor amarelada, vontade frequente para urinar etc. A principal causa para a doença são uretrites, como a gonorreia, após relacionamentos com parceiras com infecções ginecológicas e ainda após relação anal sem preservativo.

O coordenador da área de Hiperplasia Benigna da Próstata da SBU, Dr. Ricardo Vita, explica que a doença pode atingir cerca de 50% dos homens acima de 50 anos e provoca aumento da frequência urinária diurna, diminuição da força e do calibre do jato urinário, demora para iniciar a micção, sensação de urgência para urinar, entre outros sintomas. “Além de prejudicar a micção, a HBP pode afetar o funcionamento da bexiga e dos rins, demonstrando a importância de se fazer uma identificação precoce dos sintomas, bem como o tratamento imediato”, destaca.

O câncer, por sua vez, não costuma apresentar sintomas em fases iniciais, quando em 90% dos casos pode ser curado se diagnosticado precocemente. Ao apresentar sintomas significa já estar numa fase mais avançada e pode causar vontade de urinar com frequência e presença de sangue na urina ou no sêmen.

“Não existe modo melhor de enfrentarmos uma doença do que diagnosticá-la no início, as opções e a efetividade dos tratamentos aumentam, podendo-se obter a cura. A introdução dos exames de detecção precoce do câncer prostático, há mais de vinte anos, resultou em queda da mortalidade pela doença em vários países”, avalia o diretor do Departamento de Uro-oncologia da Sociedade Brasileira de Urologia, Dr. Rodolfo Borges.

Alguns fatores de risco para o desenvolvimento do câncer de próstata são: histórico familiar de câncer de próstata em pai, irmão ou tio e homens da raça negra. A recomendação da SBU é que os homens, a partir de 50 anos, e mesmo sem apresentar sintomas, devem procurar um profissional especializado, para avaliação individualizada tendo como objetivo o diagnóstico precoce do câncer de próstata. Os homens que integrarem o grupo de risco (raça negra ou com parentes de primeiro grau com câncer de próstata) devem começar seus exames mais precocemente, a partir dos 45 anos. Após os 75 anos, somente homens com perspectiva de vida maior do que 10 anos poderão fazer essa avaliação.

* Fonte: Dados levantados pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica (SBCO) e Sociedade Brasileira de Patologia (SBP) junto aos principais serviços de referência do país, nas redes pública e privada entre março e maio, comparado com o mesmo período do ano passado.

AGENDA:

RÁDIO SBU – às segundas-feiras

02/11 – O que provoca o câncer de próstata? Como cuidar da saúde masculina?
09/11 – O toque retal ainda é necessário ou basta o exame de sangue?
16/11 – Tenho câncer de próstata. E agora?
23/11 – Já fiz o tratamento do câncer de próstata. Estou curado?
30/11 – O câncer de próstata se espalhou: o que fazer?

LIVES NO INSTAGRAM – às 19h

03/11 – Saúde da próstata – Dra. Karin Anzolch entrevista Dr. Dimas Aguiar Melão
04/11- O que é o Novembro Azul: o ator Mannuel Costa entrevista o Dr. Alexandre Pompeo
10/11- Tratamento do câncer de próstata e a vida após a doença – Dr. Ricardo Vita entrevista Dr. Daniel Freitas Soares
17/11 – Câncer de próstata e distúrbios sexuais e infertilidade – Dr. Alfredo Canalini entrevista o Dr. Ariel Scafuri
24/11 – Câncer de próstata em pessoas negras, obesas e parentes de primeiro grau – Dr. Roni Fernandes entrevista o Dr. Gilberto Almeida

Aconselhamento Para o Diagnóstico Precoce do Câncer de Próstata

O câncer de próstata permanece como a neoplasia sólida mais comum e a segunda maior causa de óbito oncológico no sexo masculino. Segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA), estão estimados 65.840 casos novos de câncer de próstata para cada ano do triênio 2020-2022. Esse valor corresponde a um risco estimado de 62,95 casos novos a cada 100 mil homens, constituindo o tipo de câncer mais incidente nos homens (excetuando-se o câncer de pele não melanoma) em todas as regiões do país.

Apesar dos avanços terapêuticos, cerca de 25% dos pacientes com câncer de próstata ainda morrem devido à doença1. Atualmente, cerca de 20% ainda são diagnosticados em estágios avançados, embora um declínio importante tenha ocorrido nas últimas décadas em decorrência, principalmente, de políticas para o diagnóstico precoce da doença e maior conscientização da população masculina2.

O rastreamento universal de toda população masculina (sem considerar idade, raça e história familiar) apresenta controvérsias, pois pode diagnosticar, entre outros, câncer de próstata de baixa agressividade, que não necessita de tratamento, cujos pacientes são submetidos a biópsias, que têm potencial de complicações (infecção local), e, eventualmente, tratamentos radicais com potencial impacto na qualidade de vida.

Individualizar a abordagem é fundamental neste sentido. A identificação de pacientes com risco de desenvolver a doença de forma mais agressiva, por meio de parâmetros clínicos ou laboratoriais, pode ajudar a individualizar a indicação e frequência das avaliações periódicas. Entre diversos fatores, a idade, a raça e a história familiar apresentam-se como os mais importantes3. Análise recente de dois estudos avaliando tardiamente os resultados quanto à mortalidade câncer-específica mostra vantagem a favor desses programas com diminuição da taxa de mortalidade de 25% a 31% (estudo ERSPC) e de 27% a 32% (estudo PLCO) em comparação aos pacientes que não foram randomizados4.

Para pacientes diagnosticados com tumores de baixo risco, a visão contemporânea é o oferecimento do regime de observação vigilante como conduta e consiste em avaliações periódicas por meio de toque retal e dosagens do PSA, reservando-se a ressonância magnética da pelve e/ou biópsia prostática para ser realizada em intervalos variados. O tratamento definitivo deve ser indicado caso seja identificada progressão da doença em pacientes com expectativa de vida maior que 10 (dez) anos, poupando pacientes com tumores “indolentes” das consequências do tratamento.

Por outro lado, pacientes portadores de tumores classificados como de risco de progressão alto ou moderado podem, em fases iniciais, ser adequadamente tratados e curados.

Como esperado, as consequências da equivocada resolução da U.S. Preventive Services Task Force (USPSTF, EUA, 2011), contrária ao rastreamento sistemático, começam a aparecer. Trabalho apresentado no “2015 Genitourinary Cancers Symposium” provocou ainda mais discussão sobre o tema e reforçou o papel do rastreamento. Foram avaliados retrospectivamente 87.562 novos casos diagnosticados entre 2003 e 2013 em 150 instituições nos EUA. Demonstrou-se que após a recomendação da U.S. Preventive Services Task Force houve aumento de 3% ao ano no diagnóstico de tumores de risco intermediário e de alto risco3. Outra publicação recente mostrou redução no número de diagnósticos de tumores agressivos, o que cria preocupação de que o diagnóstico tardio em casos de câncer de próstata de alto risco possa acarretar maior impacto para a saúde pública e resultados oncológicos no futuro5. Há que se considerar a necessidade do uso de medicamentos paliativos de alto custo, para tratar os pacientes que tiverem o diagnóstico da doença já em estágios avançados.

A Sociedade Brasileira de Urologia mantém sua recomendação de que os homens, a partir de 50 anos e mesmo sem apresentar sintomas, devem procurar um profissional especializado, para avaliação individualizada tendo como objetivo o diagnóstico precoce do câncer de próstata. Os homens que integrarem o grupo de risco (raça negra ou com parentes de primeiro grau com câncer de próstata) devem começar seus exames mais precocemente, a partir dos 45 anos. Após os 75 anos, somente homens com perspectiva de vida maior do que 10 anos poderão fazer essa avaliação.

O rastreamento deverá ser realizado após ampla discussão de riscos e potenciais benefícios, em decisão compartilhada com o paciente.


Fonte: Sociedade Brasileira de Urologia (SBU)/Portal da Urulogia

DIVULGAÇÃO SAÚDE CIDADÃO


Copyright © 2020 - Bicas News by Navearte - CNPJ: 23.987.662/0001-00 - Praça Rui Barbosa, 33 - Centro - Bicas - MG - CEP: 36600-000 - TEL: (32)3271-2244 - WhatsApp: (32) 98862-2244
O crédito ao Bicas News é obrigatório, exceto quando especificado ou para conteúdos reproduzidos de terceiros.