Bicas - MG -

Estudo avalia efetividade do reforço de Pfizer e Coronavac contra Ômicron

Estudo foi divulgado pela Fiocruz

Editado/publicado em 06/04/22


Foto: Bernardo Portella

Uma pesquisa da Fiocruz divulgada nesta segunda-feira (4/4) analisa a efetividade das doses de reforço contra a Covid-19. Diante dos surtos de Ômicron em países com alta cobertura de vacinas de vírus inativado, o estudo avaliou o ganho de proteção que a terceira dose forneceu a adultos brasileiros que tinham completado o esquema vacinal com duas doses de CoronaVac. Para isso, os pesquisadores analisaram três cenários: pessoas vacinadas apenas com a série primária de CoronaVac (duas doses), com dose de reforço homóloga (três doses de CoronaVac) e heteróloga (duas doses de CoronaVac + reforço de Pfizer). Este último grupo foi o que apresentou maior e mais duradoura proteção contra a Covid-19 grave.

No período de predominância da Ômicron, a eficácia da vacina em até seis meses após a segunda dose de CoronaVac foi de 8,1% contra Covid-19 sintomática e de 57% contra desfechos graves da doença. Com uma terceira dose da mesma vacina, a eficácia contra a Covid sintomática foi de 15% e, contra a Covid-19 grave, de 71,3%. Já com uma terceira dose da Pfizer, a proteção aumenta de forma significativa: 56,8% contra a Covid-19 leve e 85,5% contra os casos graves. Enquanto o declínio da eficácia da vacina contra a Covid-19 sintomática foi observado 90 dias em ambos os tipos de reforço, o declínio de eficácia contra as formas graves da doença só foi observado após um reforço homólogo.

A principal conclusão do estudo é que uma dose de reforço homóloga de CoronaVac fornece proteção adicional limitada, enquanto uma dose de reforço de Pfizer proporciona proteção sustentada contra a forma grave da doença por pelo menos três meses.

Os resultados reforçam a recomendação do Ministério da Saúde, em para que o Brasil priorizasse a utilização de vacinas de RNA mensageiro (Pfizer) na dose de reforço, independentemente do esquema vacinal primário.

Em caso de falta de doses de Pfizer, a pasta sugere o uso, de maneira alternativa, de vacinas de vetor viral (Janssen ou AstraZeneca).

Metodologia

Os pesquisadores utilizaram um desenho de teste negativo (TND) com caso-controle, método que consiste em comparar dois grupos opostos para avaliar a eficácia de um tratamento - neste caso, a vacinação. Com base em dados de e-SUS, Sistema de Informação de Vigilância Epidemiológica da Gripe (Sivep-Gripe) e Programa Nacional de Imunização (PNI), eles analisaram informações de adultos que completaram a série primária vacinal com duas doses de CoronaVac e fizeram testes para infecção por Covid-19 em todo o país.

Entre 6 de setembro de 2021 e 10 de março de 2022, um total de 1.339.986 casos positivos foram combinados com 1.339.986 pessoas cujo teste deu negativo, formando o grupo controle. A primeira análise se concentrou no período de 25 de dezembro de 2021 a 10 de março de 2022, de maior circulação da variante Ômicron. Na sequência, os cientistas confrontaram essas descobertas com as do período anterior, de 6 de setembro de 2021 a 14 de dezembro de 2021, quando a variante Delta era a predominante no Brasil.

Fonte: Agência Fiocruz de Notícias

Notícias mais recentes publicadas


Copyright © 2022 - Bicas News by Navearte - CNPJ: 23.987.662/0001-00 - Praça Rui Barbosa, 33 - Centro - Bicas - MG - CEP: 36600-000 - TEL: (32)3271-2244 - WhatsApp: (32) 98862-2244 - bicasnews@bicasnews.com.br
O crédito ao Bicas News é obrigatório, exceto quando especificado ou para conteúdos reproduzidos de terceiros. Flag Counter